terça-feira, janeiro 06, 2009

Dia 3 - "Vinhas sem fim"

A manha parecia animada no Hostal Chez Lagarto, gente de todas as nacionalidades, cores e feitios sentada no patio interior a abastecer calorias para mais um dia de viagens. Observo o que virà a ser uma confirmacao mas à frente, mutio viajantes viajam sòs e procuram as respostas para as suas perguntas no fim do mundo. Santiago apesar de pouco visto por nòs, deu-me impreessoes contraditorias. Por um lado, um centro històrico bem organizado, turistico ao estilo de uma Paris ou uma Londres, por outro uma cidade amarelacida, antiga, onde a modernizacao terminou faz 20 anos. Comer sai um pouco mais barato que em Portugal, e o melhor de tudo è o vinho. "Cabernet Sauvignon", casta provavelmente francesa introduzida à mais de 100 nos no Chile, faz ao lado das castas Durienses, os melhores vinhos maduros que jà bebi na vida. Na noite anterior foram 6 garrafas, os hàbitos europeus da cerveja pela noite iriam ser por um mes postos de parte.

E o Sul nunca mais chegava. Nesse dia passaram pelos nossos corpos mais 11 horas num autocarro, com um ar condicionado "marado", um calor equivalente a uma qualquer tarde do nosso Agosto, com muitos suores e maus odores à mistura. Vinhas, vinhas, vinhas, e mais vinhas, e os Andes, sempre presentes.

Quando por fim chegamos a Pucon, acedi ao meu viajometro: 30 horas de viajem. Finalmente o Sul.

Santiago

Chilenos

1 comentário:

The Wolf disse...

Fique vossa excelência sabendo que os vinhos maduros do chile, são considerados os melhores vinhos do mundo pelos especialistas.

Se encontrares por aí um vinho branco de marca: Casillero Del Diablo e casta também Cabernet Sauvignon, prova, não te deves arrepender.

Aquele abraço, e deixem a marca tuga nas pedras!!